quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

o Cheiro do amor

As vezes a gente não sabe
que cheiro tem o amor
As vezes ele nem cabe
Em verso de algum escritor

Pode ter cheiro de mar
Sendo infinito e profundo
Pode ter cheiro de luar
Deslumbrante e visível ao mundo

Pode ser um cheiro infalível
daqueles que ficam no ar
Poder ser um cheiro quase invisível
Mas deixa o rastro onde passar

Só sei que o amor tem cheiro de amar
Sentimos, choramos e sorrimos
Sabemos que é bom que nem beijar
Imploramos, gritamos e exigimos


Procurei por todo odor
Mas enfim eu descobri
que o perfume do amor
É o seu cheiro dentro de mim

~* Tai Gomes * ~

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Sou de mim

"Tenho que ser para sempre de mim
Afinal, o que seria se não fosse assim?

Quero em mim o som da natureza
A sabedoria e a singela firmeza
quem sabe um pouquinho de beleza
mas o recheio, entupido de amor

Gosto da certeza e da expressão
Da verdade e não da ilusão
Me tenho e não posso me perder
Seria possível isso acontecer?

Posso a mim fazer imposição
Me restringir de coisas e me dizer não
Posso seguir em frente e decidir por mim
Assumir as conseqüências que estão por vir

De mim posso cobrar
Me bater, e até julgar
Eu sou dona de mim
Faço comigo o que tiver a fim

Por isso sou minha pra sempre
decidi isso para que eu me lembre
que me amando posso amar o outro
senti-lo valioso mais que ouro

Cuido de mim
E me guardo em um jardim
e se você me regar
perfumes e cores vou te entregar"


~* Tai Gomes ~*





quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Versejar

"Quero de novo essa vontade
De em tudo ver novidade
Declamar a felicidade
que eu sinto dentro de mim

Quero de novo essa agonia
De misturar o real com fantasia
Entre a tristeza e a alegria
Contando tudo o que eu senti

Quero de novo nos versos flutuar
Descrever o que me faz amar
Falar de tudo sem pestanejar
Cantar feliz feito um colibri

Quero de novo comparecer
Chegar ao ponto de endoidecer
No fim pensar até em morrer
Para nos seus braços me cobrir"

~ * Tai Gomes * ~






quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O verdadeiro valor

Helena era um mulher muito bonita. Vivia se maquiando, passando perfumes, vestindo longos vestidos e saltos de invejar. Tinha um marido. Uma casa com móveis caros, um carro luxuoso e um jardim com todas as mais lindas flores do mundo.
Helena não se importava com o que tinha, passava a maior parte do tempo reclamando da vida, dos seus pertences, e do que pensara em ter.
De manha não acordava o marido com um beijo sequer, resmungava seu ronco, sua barriga que crescera com os anos, e sua mania de querer dormir abraçado com ela.
Marido via Helena como uma princesa, trabalhava como um condenado para dar-lhe conforto e felicidade.
A bela moça, sempre mudava os móveis de sua casa, julgando-os fora de moda e sem brilho. Ofendia o jardineiro, desprezava as faxineiras e cozinheiras, e exaltava sua existência para menosprezar a quem não a agradava. Nada a satisfazia.
Um dia, Marido não amanheceu com Helena.
O jardineiro não foi regar as flores.
As cozinheiras não levaram seu café
As faxineiras não arrumaram sua cama

Haviam se cansado de Helena.

Marido encontrou uma moça que se importasse com ele, e trabalhasse junto a ele para construir tudo a gosto dos dois, compartilhando carinho, sabedoria e companheirismo.
O jardineiro ganhou prazer com as flores do vizinho, e criou o mais lindo jardim do mundo para ele.
As cozinheiras e faxineiras encontraram admiração e respeito em outras casas por seu bom trabalho.

Helena ficou só

Quando percebeu o que fez, já estava só. Divorciada, sem amigos, e cheia de rugas.
Colheu o que plantou, teve o bom e não aproveitou.
Aprendeu a dar valor.


~ * Tai Gomes * ~

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Nossa dança

Nessa dança eu só faço te acompanhar
Logo eu que sabia como dançar
Não olhava para o lado
No salão era só eu e o sapato
E riscava o salto no chão

Nessa dança você me tomou
Seus olhos fixos, me arrebatou!
Para pertinho de ti ficar
No teu ritmo me abalar
E manobrar uma fricção

Agora só danço com você
Todos os passos sei compreender
Ritmados e coreografados
Soltos de alegria e misturados
Motivo exato de contradição

E nessa dança de verdade estou
Me embalando perfumada como flor
E se eu cair você pode me segurar
Ou se não, posso eu mesma me virar
E voltar com os pés no chão.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Não quero

Nada a declarar
não tenho como julgar
escorre das minha mãos devagar
Eu só não quero mais ter que declarar

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Estrela

Estrela estava lá, sentada na esquina do nº 17, última quadra de frente à praia e nem se importava com a mínima compostura. Ela palpitava desânimo, seus olhos semi-abertos a apagava junto a sua palidez. Era de se estranhar uma garota sozinha às duas da madrugada em uma calçada. Nada fazia movimentar suas pálpebras, dirá os joelhos! Abraçando-os em num movimento de acalanto, era só, em um cenário sem importância.

Na rua passeava folhas de outono... ela se misturava. O cachorro velho que as vezes mudava de posição sobre o jornal em que descansava sequer notou sua insignificância.

No auge dos seus 15 anos já não havia motivo para viver, nada que enobrecera seus leves cabelos ruivos, e suas sardas avermelhadas.

Estrela, naquela noite não brilhava.

Em transe por mais de três horas e meia decidiu levantar-se e bem devagar caminhar. Solitária alcançava a sua mais perfeita descoberta do nascer do sol. O espetáculo de luzes e a fervura do amanhecer perdurava em um único momento empírico de sua vida desgostosa.

Estrela decidiu ser do mar...

E numa leveza estupenda conheceu o que tinha de mais profundo no mundo. Que naquele momento era só dela... Abraçou as águas, foi levada para longe... Virou a mais bela estrela do mar. E ser do infinito foi a chave do seu rumar.


~* Tai Gomes * ~

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Passarinho

"Voa passarinho!
cuidado por aí sozinho...

Sozinho?? nem vai ficar
mas cuidado para as asas não quebrar

Olha para frente passarinho!
Você acha que não... mas assim você vai ficar sozinho!

Sempre temos que escolher...
Caso contrário escolhem por nós..
E você pode sofrer
E será apenas mais um dos parpalhós"

~* Tai Gomes * ~

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Se isso

Se o desejo te falta
porque ter um fajuto sentimento?
Se é amor, não tem porta
Se é amor tudo importa
Se é verdadeiro porque uma revolta?

Se um desiste o outro não tem mais o que fazer
Se você é tão inconstante não tenho como deter
Eu era você, e você não era eu?
O presente quem te deu?
Você o destruiu? para tuas palavras tudo está no passado...

E eu na minha vida sigo no embalo
Sensível demais

Só te sigo se você for um futuro
Não aguento mais tanto muro
Que mania de querer sofrer
Assim todos os laços irão romper

Cansei de tuas dúvidas
Eu sei o que quero
E mais ainda o que não quero
Não quero você sem me amar

Eu quero prazer ao me beijar
Na praia minha mão segurar
E em paz com você ficar

Se você é um "fazedor" de problemas
Um deles você será - E a desistência é sua no final.


~ * Tai Gomes * ~

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Atenção

Não desvie seu olhar do meu
Nada de achar que tudo é seu
Fingir que ama é vaidade
Para quem não sabe dizer a verdade

Eu acredito em você
Não pense que me divirto às suas custas
Não faça nada escondido sem eu ver
Pode demorar, mas as coisas são justas

Não lembre de mim sem vontade
Não lhe permito falsidade
Nada de julgar maldade
Nas coisas que faço pra você

Se é para estar eu estou
Se é para seguir eu vou
Se é para viver o agora
Corro com você sem demora

Preste atenção no que faz
Faça de tudo para ficar em paz
Qualquer sentimento a mim relacionado
Quero que seja acompanhado
Para estarmos juntos quando quisermos
E compartilhar aquilo que coubermos

~* Tai Gomes * ~

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Carinho

E distante da calma estou
fumengando incessante amor
peço que saia ou invada minha vida
pois meu peito já bate a sua partida

venha me hipnotizar traçar meus laços azuis
em tua boca meu véu suspirar
teus beijos [...] abraços que me seduz

Instigo meu doce olfato
te pego te corto de fino trato
não quero de ti um pedaço
é com inteiro que me satisfaço

E alinho um eterno desejo
do quarto de hora ser o infinito
para teus olhos fazerem despejo
do nosso carinho mais bonito

~* Tai Gomes * ~

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Acordo com o tempo

Gente... esse foi o meu primeiro poema do blog..eu gosto muito dele, e receio que meus novos seguidores não o tenha visto... mas taí. =]


"Na brisa do entardecer espero..
a sua presença por mais que áspera e longe..
permanece em mim... e desespero...
Não por não querer-te mais, mas...
por perceber na longitude dos pensamentos
que tu és como nunca fostes o meu desejo mais antigo...
nada que tenha tempo...mas pela intensidade.

Insanidade minha? Talvez...uni-se alçapões de mistérios...
Como sentir falta de você?
Como compreender e manipular a desconfiança da confiança em ti?
Discutir a ilusão que criei...possibilita a novela de dois que nem eu, em lírica preservo....


Supostamente em um clarão..a caçadora de ilusões disperta..e clareia com a tarde cinzenta de pensamentos inigualáveis supostamente decifrados em apenas 4 sinais gráficos elementares... r- O- m-A- no espelho das águas..."

terça-feira, 6 de julho de 2010

Pensamentos

Meu coração é uma confusão
Me canso dessa mistura danada
Tem dias que eu fico acordada
Sem ter muita explicação

Sabe o passado batendo na porta
E eu louca me ponho a correr
Pra ganhar a dádiva de viver
O presente com mais resposta

Quero ser a artista espetacular
Na trama da justiça e lealdade
Lutando junto com a verdade
Vivendo, sonhando para amar

E sei que a 'estória' a gente inventa
Mas o que a gente experimenta
É o que fica gravado na alma

Não sei mentir para mim
Mas sei fingir para melhorar
Perfumo tudo com jasmim
E com rosas é só enfeitar

~ * Tai Gomes * ~

Prólogo

Não sei se o que sinto é certo
Não sei se devia contar
Das mágoas que trago e levo
Que só o tempo pode apagar

Tem dias que paro e penso
Em tudo que está ao redor
Da vida de quem não percebe
o que era ruim ficando pior

Histórias cortadas ao meio
sofrimento tendo mais valor
As pessoas tendo mais receio
De sentir e viver o amor

Afirmo pois minha esperança
Espera eu ter uma reação
Pra não viver só de lembrança
E abrir mais meu coração

Vou desprezar essa tristeza
Para mais fundo eu poder respirar
E dizer com toda franqueza
Que o segredo é só se entregar

~* Tai Gomes *~

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Por algum motivo

Te conheci por um olhar
Vi você tomando espaço
Resolvi me posicionar
E desatar o possível laço

Eram musicas e declarações
Com desejo imenso dos dois
Eram novos os nossos corações
Mas resolvi deixar pra depois

Você beijou outras cinderelas
Trilhou outros longos caminhos
Calçou o sapatinho de muitas delas
Não teve um momento sozinho

Viveu sua vida e eu a minha
Sorriu por fugir, e invadiu
Sua forma de viver mantinha
O nosso amor que sempre existiu

Esse caso é de se pensar
De cada sonho um motivo
Foi a paciência por esperar
Que esse amor ainda vivo

~* Tai Gomes* ~

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Mistura do coração

Não sei mais o que pensar de você
Se olho para trás e o mesmo não vejo
E o do presente me pergunto cadê?
Um amor misturado eu almejo

É uma luz que aos meus olhos incendeia
Algo estranho que ainda não posso ver
Mesmo tentando limpar essa areia
Se for do mar posso seu nome escrever

Que eu gosto de você é verdade
No antes, no agora e penso no depois
Não quero que esse passado atrapalhe
O que quero construir pra nós dois

Se esse impasse eu criei neste momento
Não foi pra impedir o nosso amor
Do contrário eu agarro esse sentimento
E levo-o comigo com fervor


É loucura essa mistura do coração
Ele lembra de coisas que me dão receio
Tornam meus pensamentos uma confusão
E não lembra que custou, mas você veio!



~* Tai Gomes *~

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Diferentemente Igual

É exatamente igual
Na vida é sempre igual
que tudo é diferente
para qualquer um existente

Cada um faz uma coisa
que o outro não faz igual
é tudo tão normal
que eu prefiro que seja vital

É um tal de Tom fazendo Sí
pedindo dó com baixo em Mí
É você, o caminho e o povo
O andar diferente e tudo novo

Sair "por aí" sem rumo
viajar e esquecer do mundo
Lembrar que tudo é natural
E a natureza exatamente igual

~ * Tai Gomes * ~

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Lembranças

Nas curvas fornecidas da minha mente
Você surgiu com um sorriso eloquente
Menino dengoso que me apareceu
Com jeitinho manhoso me envolveu

Viajando pelo mar eu me lembro
De tudo que passamos em setembro
A primavera pertinho de chegar
E eu com imensa vontade de te amar

Eu queria ter te cativado o suficiente
Para te guiar no coração exclusivamente
E você sem medo, segurar a minha mão
desenhando nossa história com vontade e paixão.

E cada estrelinha do céu que me encanta
Enche meu peito de ar e esperança
Que a vida ajeita suas providências
E a cada dia me dá mais experiências

~ * Tai Gomes * ~

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Um bom inventor

"Se nada que eu dissesse
um bom sentido fizesse
eu desistiria de viver
Por debaixo da cortina de luz
Um pingo de chuva eu compus
Para dar vida ao meu fazer

Sem emitir longas pausas
te mostro todas as causas
de um amor desejado
com certeza é tudo o contrário
nada de mentira nem lendário
e torna-se ímpar quando encontrado

Pelo olhar podem sentir rosas
No tocar um leve arrepio
No pensar viagens cabulosas
Na voz uma musica em assobio
Os sentidos afloram dos seres
De quem aceita este desafio

Permita refazer o seu sentido
E viver na vida desse amor
Sinta os prazeres do que é vivido
Aprenda sofrendo com a dor
Vista a vida de felicidade
Não se prive do que é verdade
No seu mundo seja o inventor"


~ * Tai Gomes * ~

sábado, 1 de maio de 2010

Com você

"Entre nós dois não há pecado
tem short, camiseta e calçado
Quando te vejo enlouqueço
Em ausência, choro e entristeço

Ventanias, sonhos e o real
Amor com valia de cristal
Cintura, aflissura e desejo
[As coisas mais lindas do mundo
Amor plantado em um só segundo]
A lua, o sol e um beijo

No meio, no sal, o som
Na chuva, do caus o dom
De amar, voar e viajar
A paz em seus olhos encontrar

Do lado, em cima, em baixo
No espaço, do monte encaixo
[No zoom do amor eu me vejo]
Querer, poder e viver
O fim do fim com você
[Na Lua de Jorge eu padeço.]"


~* Tai Gomes *~

sábado, 24 de abril de 2010

O Meu

Você me falou do seu
Dos sons, da sorte
Você destruiu o meu
Pirou, brincou com a morte

Não disse do não
Nem me falou que seria assim
Brincou com meu coração
E nem deixou um só pedaço do meu pra mim

Sorriu demais...
Fingiu demais
Tirou minha paz
Me deixou para trás

Voou contrário à minha direção
Tirou meus pés do chão
Desci do salto, caí do alto
Você nem deu atenção

Me joguei pro espaço
Procurei o último laço
Enfrentei o embraço
E agora não sei o que faço

Pois viro e te digo
que na vida do amor
você é um medigo
e nem tenho piedade
pois seu caminho não é com a verdade

Mudei de você
estou reencontrando minha paz
Lamento descrever
o que deixei pra trás
!



~ * Tai Gomes * ~

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Sem dimensão

Uma missão que não é minha
também não foi cumprida aos olhos de quem ver
mas a doçura espalhada no abismo
é muito fácil descrever

Ah Imensidão! Porque fizeste parte de mim desse jeito?
Tanto grão de areia e água do mar pra tanta gente
porque entraste de repende no meu peito?

É claro e de grande atenção
que tudo no mundo tem sua razão
as folhas que caem no deserto
e os cegos de olhos abertos

Queria entrar na vida de quem permite o espaço
Queria flutuar no mundo e contemplar cada pedaço
Queria ser Lua pra no impossível tocar o mar
Queria ser eclipse para nunca parar de beijar

E sou tudo o que nada parece
E pareço o que realmente sou
E viajo no meu sol que estremece
E aprendo vivendo com a dor.


~ * Tai Gomes * ~

domingo, 14 de março de 2010

De lá é perto

"O Sol beija meu rosto
vejo o vento que sopra sem pressa
um escorpião no mato
que desgosto! quase ninguem se interessa -

- na minha linguagem

no meu fervor
na “acreditagem”

Que existe amor

na minha vontade

tem sempre luz

propagação de sons

e imagens que me seduz

viajo no real

vivo no original

Provoco ventanias

Teço sonhos e alegrias

Interpreto meu próprio olhar

Desconfio pois quem sou pra julgar?

Da pedra do passado, presente e futuro

Da terra a semente, a’colhida e o muro

Do tijolo parado na esquina

De quem não construiu sua própria oficina

Meus olhos ainda fecham com aquele sol

Do início, meio e fim

Pois ele continua no meu arrebol

E minha vida não esquece de mim."


~* Tai Gomes * ~

Vai lá saber...


Vamos só observar

o passo que caminha
Não entendia nem queria
saber que você vinha

Em minha direção, me apavorei
Mas olhei os seus olhos e estacionei

Castanhos e luar para entender
Vivi o que não queria conhecer

Procuro uma resposta pelo que sinto
Que te gosto de algum jeito eu admito
Não vou te dar carta branca agora
Tem muita coisa o que acontecer neste mundo a fora

Vem caminhar devagar comigo
Axo mais fácil primeiro ser amigo
De mansinho te dou meu "dois ésse"
Aí o mundo flutua e estremece |as vezes fica para depois|


~* Tai Gomes * ~

14/02/2010

quarta-feira, 3 de março de 2010

Sombras gêmeas

"Ventania que caminha devagar
vai correndo pra buscar a minha outra sombra
que comigo sempre está , traceja, se perde
e não me deixa só.

A minha primeira fica triste ao desencontro
e voa na direção do caminho alternativo
mas aquela que se foi por um momento
volta como um pássaro... me enchendo de alegria!

Me ganha com um olhar de anos
que nunca mais havia visto
e a história do que passou não volta mais
Se desfaz... não tem valia

Porque voltou e está presente em mim
as duas sombras caminhando devagar
sem medo do mundo, da vida...
sem medo de errar...
É sincero e de bom tom
dizer q eslas estão à voar"

~* Tai Gomes*~

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Amoral

Mesmo não sabendo você já entendeu
Já descobriu o quão complicado é o amor
Não quero discuti-lo nem defini-lo para o vento
Apenas levo-o como for

Mergulhar sem direção
Voar sem pudor...
Tudo depende de sorte!
que(i) nem o amor!

Se você não vai se afogar ou cair
de bem alto não tem como dispor
Com certeza é mais fácil compor
e dizer tudo o que passou

As experiências são mais palpáveis
do que sentimentos imagináveis
Quero mais é o amor!

~ * Tai Gomes * ~

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Faz uma pergunta pra mim gente! ^^



quem quiser acessar meu formspring: http://www.formspring.me/tainaragomes


bjinhuss e respondo! ♥

domingo, 17 de janeiro de 2010

O que vai dar

"Eu havia escrito o que não queria dizer
consequentes palavras de estradas que não caminhei
sentindo o sem sentido
criando um criado sentimento em meu coração
escravizei-o, torturei-o, não soube entender

mas sei quando posso usá-lo corretamente
disse ao vento q nada havia perdido
que tudo o q eu fazia era um pedido
que a mente ainda rogava vestígios

e a câmara secreta guardava
o sofrido que eu escravizava
mostrei para milhões o meu criado
me orgulhei, pois aconteceu o esperado......."

domingo, 3 de janeiro de 2010

Luz alternativa


Quando tudo parecia bagunçado
uma peça que não se encaixava apareceu
Diante milhões de alternativas
uma loucamente surge no breu do amor

Você que antes não participava
dos meus batimentos cardíacos
agora os acelera e faz pulsar.
Comparando o antes e o depois
misturou-se todos dois.

Tem-se um firmamento de luz
e uma estrela cadente
Vibrante de alegria passeando sem sentido

Perdi a rima, perdi o coração?
não, ganhei "aceleros" profundos
mãos suadas, pensamentos oriundos
mas cheios de desejo, vontade.
Como se em um crime ninguém
tivesse roubado nada, apenas conquistado
o direito de ser preso por um olhar